Empresa de exploração espacial realizou investigação com a Força Aérea dos EUA e NASA para descobrir falha durante testes em abril

SpaceX, empresa privada de exploração espacial, publicou na segunda-feira (15/7) um comunicado sobre a explosão de uma cápsula Dragon durante testes do dia 20 de abril deste ano. Uma investigação conclui que um vazamento de nitrogênio entrou em contato com válvulas de hélio, causando a explosão da unidade.

De acordo com o comunicado, a empresa estava realizando os testes por volta das 18h, e oito propulsores especiais falharam, o que causou a destruição da nave. Ao total, para lançar a cápsula Dragon ao espaço, são necessários doze propulsores iniciais e mais oito propulsores especiais. Os testes iniciais ocorreram como planejado nos doze primeiros propulsores.

A empresa garante ter feito parcerias com diversas equipes de engenharia espacial para descobrir o que causou o acidente. NASA, Administração Federal de Aviação (FAA), Conselho de Segurança no Transporte (NTSB) e até mesmo a Força Aérea americana fizeram parte da investigação.

A investigação determinou que um vazamento de Tetróxido de Nitrogênio em estado líquido entrou nos tubos de hélio de alta pressão durante a inicialização do sistema de lançamento, que provocou uma explosão no contato do líquido com o gás. A SpaceX informou que vai atualizar as naves para que esse tipo de acidente não aconteça.

“Em vez de válvulas, que normalmente permitem que os líquidos fluem em apenas uma direção, os discos de ruptura, que vedam completamente, até serem abertos por alta pressão, vão eliminar o risco [de explosão] completamente. Testes e análises rigorosos dessas mitigações já começaram em estreita coordenação com a NASA e serão concluídos bem antes de voos futuros”, conclui o comunicado.

Fonte: itmidia.com