Segundo ele, houve e ainda existe vida em Marte.

Na terça-feira, especialistas em insetos dos Estados Unidos se reuniram em St. Louis, Missouri, para a reunião anual da Sociedade Entomológica da América – e quando o professor emérito da Universidade de Ohio, William Romoser, teve a chance de falar com seus colegas, ele fez uma afirmação chocante.

“Houve e ainda existe vida em Marte”, disse Romoser em um comunicado à imprensa  sobre sua apresentação.

O único problema: a evidência dele não é exatamente convincente.

De acordo com o comunicado de imprensa, Romoser acredita que vários rovers de Marte já capturaram imagens de insetos vivos e fossilizados no Planeta Vermelho. O pôster que ele apresentou na terça-feira contém várias fotos que ele encontrou na internet com o que ele afirma serem partes do corpo de insetos circuladas em vermelho.

Está vendo esse ponto embaçado? Isso é o tórax de um inseto. O local ao lado dele? Claramente, a cabeça da criatura olhando diretamente para a câmera usando seu olho composto, que parece na imagem ser – você adivinhou – um ponto embaçado.

Depois de analisar as fotos, Romoser diz acreditar que Marte é o lar de criaturas semelhantes a cobras, abelhas, répteis e muito mais. No comunicado de imprensa, ele observa como sua “descoberta” das formas de vida em Marte se alinha à identificação de criaturas terrestres.

“Três regiões do corpo, um único par de antenas e seis pernas são tradicionalmente suficientes para estabelecer a identificação como ‘inseto’ na Terra”, disse ele. “Essas características também devem ser válidas para identificar um organismo em Marte como inseto. Nestas bases, artrópodes, formas semelhantes a insetos, podem ser vistos nas fotos de rover de Marte. ”

Talvez a lição a ser aprendida com a apresentação de Romoser, então, não seja a existência de insetos em Marte, mas os entomologistas talvez queiram procurar bases mais rigorosas para identificar bugs na Terra.

Fonte: Futurism