Se nessa quarentena você não está interessado em apenas criar hobbies como cozinhar e bordar, porque não se voluntariar a começar procurar por novas galáxias? O isolamento social pela quarentena na luta contra o coronavírus fez com que milhões de pessoas abandonem suas atividades ao ar livre e o convívio social e isso pode ser muito tedioso para alguns. 

O tédio gerado pelo isolamento é uma ótima oportunidade para as pessoas se envolverem com projetos científicos em que necessita de um coletivo de colaborados ao qual os cientistas não possuem tempo suficiente para participar. Um deles, o Galaxy Zoo, está moldando nossa compreensão sobre o universo. 

O Galaxy Zoo traz a ideia do cientista cidadão que é a colaboração ativa das pessoas nas tarefas menos técnicas dos projetos, assim o astrofísico Chris Lintott investigador principal lida com a ciência densa. Nesse caso do Galaxy Zoo, os cientistas capturam novas imagens do espaço e os participantes voluntários ajudam a classificar quaisquer novas galáxias que surgem.

“A forma de uma galáxia fala sobre sua história: ela conta quando acumulou material, quando colidiu com outras galáxias, quando formou estrelas e todo tipo de coisa”, disse Lintott ao Space.com . “Mas os astrônomos são muito bons em obter imagens de galáxias e menos bons em classificar os dados”.

Tarefas como examinar o céu noturno faz com que os cientistas acumulem uma pilha de informações, o que torna a tarefa mais complicada para eles, sendo crucial recrutar um exército de voluntários para ajudar a descobrir o que está acontecendo. A parte mais legal de ser colaborador: Você pode ser a primeira pessoa a ver uma galáxia nova apenas acessando o site.

Fonte: Futurismo