MacBook Pro de 15 Polegadas sofre restrição de embarque em voos no Brasil

A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) determinou a proibição do transporte de notebooks da Apple em aviões no Brasil. O modelo que sofre restrição de embarque é o MacBook Pro de 15 polegadas, fabricado entre setembro de 2015 e fevereiro de 2017. A medida, anunciada com hoje (28 de agosto de 2019), chega ao país depois que o computador da Apple passou por recall por defeitos na bateria, que poderiam causar até incêndios. A decisão vale para todos os voos do território nacional.

A ANAC não é a primeira agência de aviação a proibir o embarque dos MacBooks. O aparelho também foi banido nos voos dos Estados Unidos, no início do mês de agosto, tanto para casos de despacho de bagagem, quanto para uso em malas de mão, por exemplo. Para que tivessem seu embarque liberado, os passageiros precisaram comprovar que seus computadores passaram pela troca de bateria.

Segundo a ANAC, o passageiro deve consultar se o seu computador precisa passar pela troca de bateria antes do embarque. Esta consulta pode ser feita no site oficial da Apple. Após o confere, caso o aparelho seja defeituoso, a ANAC afirma que o embarque do modelo, em bagagens de mão ou no porão do avião, não é aconselhável.

A ANAC afirma, ainda, que os passageiros que embarcarem com o dispositivo de maneira indevida serão orientados pelos profissionais das companhias aéreas a manterem o dispositivo desligado e a não recarregarem o aparelho durante o voo.

Veja, a seguir, o posicionamento da ANAC para o possível embarque de passageiros com MacBook Pro de 15 polegadas:

Os equipamentos defeituosos não devem ser transportados como bagagem de mão nem despachados no porão da aeronave, dados os riscos que representam para as operações aéreas. Os passageiros que embarcarem com o dispositivo inapropriadamente serão orientados pelos profissionais das companhias aéreas a manterem o dispositivo desligado e a não recarregarem o aparelho durante o voo. A recomendação é válida até que a fabricante realize a substituição dos modelos defeituosos. As medidas adotadas pela ANAC, que têm por objetivo garantir a segurança das operações aéreas, estão em consonância com as práticas tomadas recentemente pelas autoridades de aviação civil americana, Federal Administration Aviation (FAA), e europeia, European Union Aviation Safety Agency (EASA).
— ANAC

Esta não é a primeira vez que aparelhos eletrônicos sofrem restrições de voos no mundo. Em 2016, o Galaxy Note 7, que teve inúmeros casos de explosão, também foi proibido de ser usado dentro de aviões. Segundo a Samsung, um problema na bateria fazia com que o aparelho explodisse. Logo depois de seu lançamento, o aparelho foi retirado de circulação.