Inteligência Artificial é treinada para tricotar roupas por pesquisadores do MIT

Dois softwares foram desenvolvidos pelo Laboratório de Ciência da Computação e Inteligência Artificial do MIT[

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) estão trabalhando em um software que permite usuários criarem ou customizarem qualquer peça de malha de tecido. Mesmo indivíduos sem qualquer experiência em costura conseguem produzir peças com o software. As informações são do TechCrunch.

O estudo foi conduzido por Alexandre Kaspar do Laboratório de Ciência da Computação e Inteligência Artificial (CSAIL). O projeto foi explicado em dois estudos publicados pelo pesquisador na segunda-feira (2/8).

Nos estudos, os pesquisadores explicam que usaram um sistema chamado InverseKnit, que cria padrões a partir de fotos de itens de malha automaticamente. Já o software de design fica por conta do CADKnit, software que permite pessoas, mesmo sem experiência nenhuma em costura ou tricô, consigam ajustar o tamanho das pelas e a forma final, além de detalhes decorativos.

Os softwares desenvolvidos usam inteligência artificial para produzir peças personalizadas de forma completamente otimizada. A ideia é que a tecnologia permita aos designers de roupas gastarem menos tempo aprendendo como escrever padrões de malhas para máquinas e reduzir o desperdício no processo de prototipagem e fabricação.

Os pesquisadores explicam que esses softwares podem ser usados em máquinas de tricotar convencionais, disponíveis no mercado há anos. No entanto, é necessário certo conhecimento técnico para operá-las.

Kaspar acredita que os softwares desenvolvidos podem ser comercializados de duas formas diferentes, sendo uma focada para a indústria, que precisa de alta demanda de peças personalizadas e outra para o consumidor caseiro, que quer experimentar peças personalizadas.

“Se você pensar sobre isso como a impressão 3D, muitas pessoas estão usando impressoras 3D ou hackeando impressoras 3D, por isso são grandes usuários em potencial para o nosso sistema, porque agora podem fazer isso com o tricô… A impressão 3D demorou um pouco até que as pessoas se sentissem à vontade para pensar que poderiam fazer algo com ela. Será a mesma coisa com o que fazemos”, destacou Kaspar.

Fonte: itmidia.com