Em três meses, mais de cinco mil brasileiros foram vítimas do golpe

Em um período de três meses, mais de cinco mil brasileiros foram vítimas do golpe que clona chips de celular e depois usa o WhatsApp para extorquir os usuários. Os dados são da Célula de Inteligência Cibernética da Polícia Civil e assustam os usuários de smartphones. Já a empresa de segurança Kaspersky apontou que, no Brasil, esse tipo de crime rouba até R$ 10 mil por vítima.

O pior de tudo é que os golpistas não precisam sequer roubar o aparelho em sim. Eles conseguem sequestrar a linha e desativar o chip original, assumindo a identidade da vítima e abrindo portas para diversos tipos de fraude. Isso acontece porque o invasor passa a receber todas as ligações e mensagens de texto destinadas ao dono da linha telefônica.

A partir daí, é possível recuperar senhas de aplicativos de bancos, acessar o seu WhatsApp e diversos outros apps que usem SMS para validar sua identidade. Nem precisamos dizer o tamanho do estrago, certo? O criminoso poderá realizar transações bancárias na conta da vítima, enviar mensagens para os contatos do mensageiro pedindo dinheiro ou criando caos, além de sempre existir a possibilidade de extorsão mediante “sequestro” do chip clonado.

Uma pesquisa da empresa de soluções de engajamento de consumidores Affinion mostrou que 61% dos consumidores se mostram realmente amedrontados com esse tipo de crime, que só vem crescendo. De acordo com o diretor da empresa, Alexandre Primo, o maior nível de preocupação é encontrado no Brasil, com 87% e 75% nos Estados Unidos.

Como se proteger?

Mais importante do que ficar com medo do golpe, os usuários precisam estar atentos para se prevenir e evitar transtornos provenientes deste tipo de ataque. Para ajudá-los nessa missão, separamos algumas dicas de segurança:

  1. No caso do WhatsApp, ative a “Confirmação em duas etapas”. O recurso está disponível no menu de Ajustes / Conta do app e usa um PIN de seis dígitos que deve ser inserido ao registrar seu número de telefone novamente no WhatsApp.
  2. Solicite que seu número seja retirado das listas de IDs de aplicativos que identificam chamadas, como o Truecaller.
  3. Assim que perceber algo estranho com sua linha telefônica, como o sinal cortado ou mensagens estranhas referentes a sua conta bancária, é preciso avisar a instituição financeira imediatamente e alterar a senha de acesso ao sistema.
  4. É indicado alterar todas as senhas de acesso aos aplicativos, e-mail e até de segurança do celular, sem exceção.
    O usuário deve se dirigir a uma loja da operadora, comunicar as suspeitas e pedir para trocar o chip, imediatamente.
  5. Caso a suspeita seja comprovada, é indicado que a vítima registre um Boletim de Ocorrência com o máximo de dados possível para que as autoridades tenham mais chances de resolver o crime.

Fonte: pcworld.com.br