Mais uma vez, os cientistas validaram um componente importante da teoria da relatividade geral de Einstein .

Especificamente, um trio de duas estrelas anãs brancas e uma estrela de nêutrons em colapso demonstrou o conceito de queda livre, de acordo com uma pesquisa publicada este mês na revista Astronomy and Astrophysics . Essa é a ideia, famosa ilustrada pelo experimento de pensamento da Torre Inclinada de Pisa, de Galileu, de que a gravidade acelera todos os objetos que caem na mesma proporção. A idéia foi contestada sob condições extremas, mas medições incrivelmente precisas das três estrelas a sustentaram – e com ela, a teoria de Einstein .

Cientistas da Universidade de Manchester identificaram o caso incomum de queda livre entre três estrelas. Primeiro, há uma estrela anã branca e um pulsar – uma estrela morta 1,44 vezes mais massiva que o Sol que colapsou em uma esfera de 24 km de largura – que rapidamente se orbitam.

Ambos também orbitam outra anã branca, semelhante à forma como a Terra e a Lua orbitam o Sol e um ao outro. Isso apresentou uma oportunidade incomum: enquanto os astrônomos poderiam realizar experimentos semelhantes em nosso sistema solar, os cientistas especularam que objetos mantidos juntos por sua própria força gravitacional – como pulsares – podem violar a universalidade da queda livre.

Essa violação também violaria a relatividade geral, que assume uma aceleração gravitacional constante em todos os cenários.

Mas ao rastrear as posições das três estrelas até o nanossegundo, a equipe de Manchester descobriu que a primeira anã branca e o pulsar estavam acelerando em direção à segunda anã branca no mesmo ritmo – validando a relatividade geral mais uma vez.

Fonte: Futurismo