Designer cria roupas que confundem leitores automáticos de placas

Criação busca criticar sistemas de vigilância cada vez mais populares

O monitoramento de pessoas nos Estados Unidos está mobilizando ativistas a encontrarem formas de garantir a sua privacidade. De acordo com informaçõesdo MIT, a hacker e designer Kate Rose apresentou uma nova coleção de roupas durante a conferência de segurança cibernética DefCon, em Las Vegas, Estados Unidos, para confundir os sistemas utilizados para rastrear civis.

A coleção desenvolvida, que inclui moletons, camisas, vestidos e saias, aciona leitores automáticos de placas (ALPRs) para injetar dados inúteis nos sistemas. Os desenhos estampados, imitando placas de carros, são captados pelos ALPRs como veículos, alimentando os sistemas com mais dados de lixo eletrônico, o que os torna menos eficientes no rastreamento de pessoas e mais dispendiosos para a implantação.

Há milhares de ALPRs espalhados pelos Estados Unidos, lendo e gravando milhares de placas por minuto. Os dispositivos são controlados principalmente por departamentos de polícia e agências governamentais, mas pessoas comuns também podem comprá-los e operá-los. Esses leitores detectam e fotografam as placas dos veículos e registram horário, dados e localização, e um algoritmo verifica as informações em um banco de dados de carros que a polícia está procurando.

A iniciativa tem causado revolta entre os defensores da privacidade, que afirmam que a medida permite uma forma legalmente questionável de vigilância em massa.

Fonte: pcworld.com.br