Essa super-Terra poderia apresentar um mundo oceânico habitável sob uma espessa camada de gás hidrogênio.

Uma equipe de astrônomos da Universidade de Cambridge determinou que um exoplaneta chamado K2-18b é capaz de reter água líquida em condições habitáveis.

O enorme planeta a apenas 124 anos-luz de distância – ainda em nosso quintal em nível cósmico – tem 2,6 vezes o raio da Terra e orbita sua estrela dentro da “zona habitável” – a região em um sistema estelar em que a água líquida pode existir. Foi detectado pela primeira vez pelo telescópio espacial Kepler da NASA, que caça o planeta em 2015.

No ano passado, duas equipes diferentes de astrônomos concluíram independentemente que existem quantidades significativas de vapor de água na atmosfera rica em hidrogênio do planeta.

Mas eles ainda não sabiam se as condições subjacentes a todo esse hidrogênio estavam certas para a vida existir. Se houver muito hidrogênio, a temperatura e a pressão por baixo seriam muito altas para sustentar a vida.

“O vapor de água foi detectado na atmosfera de vários exoplanetas, mas, mesmo que o planeta esteja na zona habitável, isso não significa necessariamente que haja condições habitáveis ​​na superfície”, Nikku Madhusudhan, do Instituto de Astronomia de Cambridge, que liderou a nova pesquisa, disse em comunicado.

“Para estabelecer as perspectivas de habitabilidade, é importante obter um entendimento unificado das condições interiores e atmosféricas do planeta – em particular, se a água líquida pode existir sob a atmosfera”, acrescentou.

A equipe modelou diferentes condições usando dados sobre o interior do planeta para descobrir a espessura da camada de gás hidrogênio, enquanto ainda é capaz de suportar a vida abaixo.

Eles descobriram que se a camada de hidrogênio representasse algo entre um milionésimo do planeta em massa – semelhante à atmosfera da Terra – até seis por cento da massa do planeta, a superfície do planeta ainda poderia ser habitável.

“Vários cenários permitem um mundo oceânico, com água líquida abaixo da atmosfera a pressões e temperaturas semelhantes às encontradas nos oceanos da Terra”, diz o comunicado.

Fonte: Futurismo