Os cientistas pensam que deram um passo no sentido de finalmente entender um dos maiores mistérios do universo: por que ele existe em primeiro lugar.

Quando o universo se formou, criou antimatéria e matéria , que se destroem quando se encontram. Então, por que há matéria suficiente para formar todas as galáxias, estrelas e mundos lá fora, é uma questão fundamental.

Agora, a Scientific American relata que os cientistas fizeram progressos substanciais no sentido de fornecer uma resposta.

A teoria, chamada leptogênese, postula que o Big Bang expeliu um grande número de partículas subatômicas chamadas neutrinos. Quando esses neutrinos finalmente se separaram, a leptogênese sugere que eles formaram mais subprodutos da matéria do que os antimatéria.

Novas descobertas do experimento japonês Tokai to Kamioka (T2K) , publicadas na semana passada na revista Nature , não são evidências definitivas da teoria da leptogênese. Mas, enquanto se aguarda as muitas experiências e análises de acompanhamento necessárias para realmente fazer essa declaração, o SciAm relata que os resultados parecem sugerir fortemente que a leptogênese está ligada a alguma coisa.

O estudo sugeriu que há uma chance de 95% de que os neutrinos se dividam em uma proporção desigual de matéria em relação à antimatéria, uma medida chamada violação de PC. Parece convincente, mas não é bom o suficiente para um mistério tão fundamental do universo.

“Ainda não a chamamos de descoberta”, disse Chang Kee Jung, pesquisador da Stony Brook University e membro da equipe T2K, à SciAm .

Fonte: Futurismo