População vegetariana e vegana salta no País e chama a atenção de startups brasileiras

O número de pessoas que se declaram veganas e vegetarianas quase dobrou no Brasil nos últimos seis anos, segundo pesquisa feita pelo Ibope no início de 2019. Cerca de 14% da população brasileira se declara vegetariana. Em 2012, este número era apenas de 8% nas capitais Curitiba, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo. Este aumento também puxou o crescimento de empresas e startups que oferecem inovações para levar alimentação sem carne às mesas dos brasileiros.

Hambúrgueres sem carne animal já são facilmente encontrados em fast foods como Burguer King e Mc Donald’s e até em hamburguerias gourmet ao redor do País.

O Burguer King anunciou uma parceria com a startup americana Impossible Foods e criaram em abril deste ano, o Impossible Whooper, lanche com hambúrguer vegetal, que para os desavisados, é um Whooper como qualquer outro.

De acordo com a startup do Vale do Silício, os hambúrgueres de “carne” vegetal da Impossible Foods, sangram, tem cheiro, gosto e textura de carne animal. Inicialmente, o Impossible Whooper foi lançado em somente algumas cidades do Estados Unidos.

Vale ressaltar que os hambúrgueres desenvolvidos em laboratório pela Impossible Foods não foram feitos pensando especificamente o público vegetariano e vegano, o objetivo da startup é imitar uma carne animal para que aqueles que comem carne possam substituir o alimento e assim ganhar benefícios nutricionais.

Produtos como a “carne” vegetal produzida em laboratório também se tornou uma tendência no mercado brasileiro. Abaixo, apresentamos quatro startups brasileiras que incentivam uma alimentação sem carne.

Behind the Foods

A foodtech paulistana Behind the Foods desenvolve carne a base de plantas que, segundo a startup, conta com as mesmas características de uma carne animal. Leandro Mendes, CEO da Behind the Foods, resolveu abrir a empresa quando descobriu que os resultados dos seus exames estavam muito ruins.

Chamada de Plant Texture Triple Tissue (PT3), a carne imita todos os tecidos musculares, adiposos e conjuntivos, presentes em uma carne animal. Além disso, Leandro garante que com o uso de leghemoglobina, uma hemoglobina encontrada em plantas e flores, os hambúrgueres da Behind the Foods terão cor, cheiro e sabor de carne.

A Behind The Foods é uma empresa com foco ao mercado B2B, ou seja, venderá seus produtos para lanchonetes, restaurantes, entre outros. A “carne” da Behind The Foods é criada a partir de uma mistura de batatas, jaca, goma xantana e proteína isolada de soja. A parte líquida, que imita o sangue, é composta por extratos naturais de beterraba e urucum. Já a gordura é de óleo de coco e de palma.

Fazenda Futuro

Assim como a Impossible Foods, a Fazenda Futuro, de Marcos Leta, fundador dos sucos Do Bem, tem planos de enfrentar a indústria da carne e quer concorrer diretamente com frigoríficos. Os hambúrgueres da Fazenda Futuro, já podem ser encontrados em hamburguerias e alguns supermercados de São Paulo e Rio de Janeiro.

A Fazenda Futuro afirma que apostou em inteligência artificial para analisar, entender e reproduzir em seus hambúrgueres as moléculas de uma carne bovina. A princípio a marca produz o Futuro Burguer, mas há planos de expandir o mercado e lançar mais “carnes”.

NoMoo

A NoMoo, do Rio de Janeiro, é conhecida por produzir leites e queijos à base de castanhas. De acordo com a Istoé Dinheiro, a Nestlé, que começou a vender leites vegetais há cerca de dois anos apoia a NoMoo na fabricação de seis leites vegetais.

Em entrevista à revista, Marcelo Doin, fundador da NoMoo, diz que percebeu que, apesar de muitas pessoas não serem vegetarianas ou veganas, elas mostravam intolerância à lactose e tinham dificuldade de encontrar leites e queijos que não os fizessem mal.

Fonte: itmidia.com